sexta-feira, março 30, 2007

Horas


Há horas em que dissipo as sombras
E estanco a dor.
Há horas em que me torno invencível
E exilo o medo.
Mas como poderia eu saber
Que haveria horas
Em que irias assombrar o meu ser
E que precisaria do teu sopro
Para vencer a minha solidão?

Há horas em que as notas soltam melodias
E as lágrimas se evaporam.
Há horas em que as águas são espelhos
E a lua, berço de sonhos.
Mas como poderia eu saber
Que haveria horas
Em que o caminho apagaria a luz das estrelas
Levadas pelo vento
E que as noites perderiam as pálpebras
Que guardavam o meu sono?

Há horas em que o meu pensamento desfalece
E se torna mármore sem veias.
Há horas em que já não sou deste mundo
E que nem de mim sou.
Pois como poderia eu saber
Que haveria horas
Em que precisaria da tua mão
Para manter o meu equilíbrio
E que precisaria das tuas palavras
Para não calar o meu coração?

20 comentários:

Vera disse...

Há horas para novos sentimentos e descobertas todos os dias.
O teu poema está muito lindo e em boa hora voltaste! (Pois... já estava preocupada...)

Mil beijos***

Ivan disse...

É Angela...
Lindo o trecho:
Pois como poderia eu saber
Que haveria horas
Em que precisaria da tua mão
Para manter o meu equilíbrio
E que precisaria das tuas palavras
Para não calar o meu coração?

Sei o que é isso.
E tenho sorte de ter a mão corepsondida...

Plum disse...

Passei para te ler e desejar um bom fim de semana!Abraços!*

João Filipe Ferreira disse...

ps: tou com projecto em mente..fazer um livrinho com poemas de 10 pessoas....
e depois tentaria uma editora...como elas pedem na maioria 200 livros garantidos...estava pensar na corposeditora..que apenas pede 40 livros ,mas tb n paga direitos na 1 edição, só a partir da segunda...
o livro seria apenas por prazer e quem sabe o inicio de outras aventuras..como tal seriam poemas em que os auotres n esperassem lucros, ou grandes dividendos..seria prazer mm..e o seu nome num livrinho fisico.
como a corpos exige 40 vendas garantidas...40/10= 4 livros... ou seja cada um teria q garantir apenas 4 livros..no entanto posso tentar mais um ou outro autor e assim os custos sao mm 0..
como tal convido-te, pois adoro o que escreves..se estiveres interessada:)
podes responder por mail joaoferreira1@gmail.com ou joaofferreira@hotmail.com :)
é apenas um projecto e uma ideia bonita:)

Bruxinhachellot disse...

Se soubéssemos antes o que nos aconteceria, como nos sentiríamos com as surpresas da vida, talvez viveríamos melhor ou talvez teríamos outras coisas do que reclamar.
Sua poesia é maravihosa.

Beijos de ovos de páscoa.

}}cleopatra{{ disse...

Olá Angela!

Há horas em que nos sentimos pequenos perante a grandiosidade daquilo que nos rodeia... daquilo que lemos... daquilo que vemos e sentimos... do sentimento que colhemos ao ver os sentimentos dos outros...
É lindíssima a tua poesia, já sabes disso, mas é sempre bom frisar de novo!

Um beijinho soprado

Ricardo Rayol disse...

Há horas que somos assombrados por lembranças, nem sempre ruins. Há horas que um gesto de carinho redime milhares de palavras vãs e cruéis. Há horas que é bom estar aqui te lendo.

Luna disse...

Lindo o teu poema, assim é vivendo na dualidade nos encontramos
jinhos

Vladimir disse...

Há horas cinzentas, horas azuis e horas assim....parabéns pelo texto..
Como era sábado o Vladimir inspirou-se e deu forma ao pensamento...

Marco António disse...

Há horas que por vezes devemos saber para onde vamos sem ter que saber o caminho da vida, mas tendo por certeza de que amamos esta vida por vezes sem vida. É na simplicidade que se encontra a vida e nessas horas de forma emblemática.

Um abraço,
Marco António

Madalena disse...

Todos temos o nosso arco irís de cores, ao longo da vida...
Mas penso que todos teremos, uns mais outros menos, a capacidade de conseguir dar sempre a tonalidade certa à nossa vida, aos nossos amores, aos nossos amigos, enfim, a tudo o que nos faça felizes e nos faça sentir bem neste mundo colorido.
Muito bonito, parabéns.
Madalena

Juvep disse...

Olá Angela,
Há horas assim mas também as há felizes. E esta quero crer que será uma das felizes posto que as tristes são passado. Beijinhos força

sónia disse...

há horas em k somos nós...há horas em k nao nos reconhecemos...há horas em k a vida passa por nós sem darmos por isso...ha horas em k nos sentimos bem...ha horas em k nos sentimos menos bem...
o tempo é somente uma incognita k nao conseguimos descobrir...

já tinha saudades de te ler
beijinhos

Vera Carvalho disse...

Há estas horas escondidas no tempo pela mancha do amor, mas quando ela se dissipa vem esta escuridão aqui tão bem descrita! Adorei as tuas palavras!
Beijo

Farinho disse...

Há momentos em que parece que tudo se desmorona á nossa volta, mas depois erguemos de novo o rosto e seguimos em frente...

Muito sentido, adorei.


Ainda bem que está tudo bem amiga, que já estjas melhor, eu agora estou com o meu nariz tão inchado que parece que tenho uma batata espetada na narina, acreditas que me rebentou herpes dentro de uma narina, o meu marido diz que por uma vez na vida tenho o nariz grande, já viste a lata dele? lolol é que tenho o nariz pequeno e ele agora acha piada. lolol

Beijocas
Fica bem, eu só quero ver-te feliz.

littledragonblue disse...

Olá. É a primeira vez que aqui venho. O teu blog está muito bonito. Gostei

Votos de uma excelente semana

littledragonblue

Rose disse...

sempre bom precisar de alguém, melhor se este alguém estiver por perto.

Abraços Angela

Márcia disse...

Mas qu elindo blog eu vim encontrar...
Os textos, as imagens, os sentires...

Vou voltar...

bEIJINHOS

Tacitus disse...

"Jamais me submeterei às horas: as horas foram feitas para o homem, e não o homem para as horas"...boa páscoa e anima-te ;)

Daniele disse...

Minha Amiga e Poetisa Angela,

Há horas, que me sinto tão igual a ti , há horas, que me vejo em cada rima, métrica, cada sentimento que flui na beleza da sua poesia !

És sublime,

Beijos na alma,