sábado, abril 14, 2007

Noite infinita


Incensos incendeiam as minhas insónias,
Brumas no templo
Onde ressoam ecos de memórias.
Na penumbra fria,
Uma luz funérea dá vida ao pó
Rompendo os vitrais
De cenas que não se deixam esquecer.
Os círios que oferendo
Não me devolvem a tranquilidade perdida.
O milagre tarda
Talvez porque a minha devoção é bastarda.
A noite sepulcral
Tem a negrura do pecado persecutório.
A noite infinita
É o meu atormentado purgatório.

24 comentários:

José Alberto Mostardinha disse...

Olá Angela:

Aprecio sobremaneira os teus versos... mesmo quando, como neste caso, refelectem alguma insatisfação existencial.
Passa um bom fim de semana.
Um beijo,

Bruxinhachellot disse...

Angela seu esboço está cada vez mais interesante. A noite pode nos atormentar com a solidão e o silêncio nos calar a voz da razão. Mas o dia virá e trará com ele a luz que tanto necessitas.

Beijos de sol e de Lua.

Vladimir disse...

algo por aqui não vai lá muito bem, vamos lá a arribar....

sónia disse...

de noite a nossa mente é submersa por todo o tipo de pensamentos...

beijinhos

Daniele disse...

Querida Amiga e Poetisa Angela,

Essa sua poesia está escandalosamente perfeita, a beleza, os sentimentos saltam de dentro de ti e invadem o papel, ferindo docemente a noite infinita!

Magistral!

Beijos na alma,
da amiga e fã,

Ps: É uma alegria infinita quando tu me visita, sabes o apreço, carinho que nutro por ti!

juvepp disse...

Obrigada pelas palavras. É verdade preconceitos há muitos mas o que mais me choca é o de orientação sexual.O texto surgiu a propósito de uma conversa de colegas onde se catalogavam tais pessoas como hibridos e com deficiencia genetica, no entanto assumiam que não eram preconceituosas. E tudo isto, em pleno séc. XXI, quando todos os racismos são abolidos
Em diagonal li alguns poemas teus e gostei do que li. Voltarei com mais tempo. Beijinhos

Ricardo Rayol disse...

Angela, hoje postei um poema no pseudo poemas que trata mais ou menos da mesma coisa... como eu costumo dizer as coincidências as vezes são mais que meras. Gostei demais da intensidade das letras.

Vera Carvalho disse...

Gostei desta poesia condenatória, sepulcral.
Mas espero que a noite não te condene, mas que te aconchegue na tranquilidade.
Um beijinho

Luna disse...

Porque nos condenamos, se viver é viver
jinhos

Saramar disse...

Gostei imensamente deste poema meio gótico, medieval, perfeito.
Você é sempre surpreendente nos vários estilos por onde pisa, sempre com sensibilidde e beleza imensas.

beijos

Vera disse...

Lindíssimo poema, querida amiga!!
Quando puderes passa no meu blog... Está lá uma surpresa para ti!

♥*´¯`*.¸¸.*Beijinhos*.¸¸.*´¯`*♥

A MUDANCA disse...

ABISMAL... não te deixes condenar nunca meu anjo e muito menos te condenes a ti própria.

Beijo grande

FF

Blogildo disse...

Gostaria de ver vc arriscar na métrica. Nem que fosse apenas uma quadra. Tenho certeza que o resultado seria brilhante. Como sempre!

daniel sant'iago disse...

O teu poema transportou-me a uma liturgia de catarse...
PS: Vou lincar-te nos meus "Outros Brincos"... já que me vi incluído nos teus "Esboços de Literatura"!
Perdoado?

Um Poema disse...

Teve muita razão a Vera quando te indicou como um dos blogs que a fazem pensar.
Parabens pela nomeação.

Um abraço

A.S. disse...

Quando a noite se torna mais escura
como tela sombria a negro impressa
venha o sonho que vier tem mais altura
a sombra em que ás vezes se tropeça


Um beijo...

B'Araújo disse...

que o incenso das palavras te inspirem para mto mais...

gostei mto de te visitar...

jinhos doces

pensamentos_vagabundos disse...

poesia não se comenta,sim sente-se....
pelo que senti deixo te um beijo vagabundo

bono_poetry disse...

QUE PASSARO ERRANTE ES TU?...QUE NAVEGUEI NAS TUAS CINTILANTES PALAVRAS...ESPALHASTE MAGIA...
EU VOLTO..

Entre linhas... disse...

Teus poemas revelam um sentimento transcendente a ti mesmo,algo que te faz reflectir.

Bjs Zita

mago dos sonhos disse...

Saudações!

Nostálgicas palavras, o Mago aqui encontrou ou melhor direi, profundo sentir. Mas, é certo que o encanto e finura, nelas se fazem sentir. O Mago, nesta dança de sentimentos, nesta melodia de encantamentos, o seu espírito repousou.

Sonhos Mágicos

Plum disse...

Há noites que valem a pena ser infinitas!Abraços!*

José Alberto Mostardinha disse...

Viva:

O Estados Gerais solicita o teu prezado comentário a assunto deveras preocupante.
Um abraço,

Rosa Maria disse...

Deu para perceber, pq este blog dá que pensar...
Voltarei