segunda-feira, maio 28, 2007

Carícia sublime


A ti me entrego, nua,
Para que me vistas
Com a delicada seda
Das tuas mãos.
Deixo-me envolver o corpo
Com esse suave tecido,
Que fio a fio teces
Em ajustada peça.
Assim, a minha pele,
coberta, estremece
Ao sentir deslizar
A preciosa veste.
E se a tua seda desfio
Com as mãos minhas,
É para de novo a teceres
Em carícia sublime.

25 comentários:

Branca disse...

Era tão bom que nos entregassemos sempre dessa forma,
sem defesas,
de forma pura e simples,
era tão bom...
A entrega mutua seria muito mais real, profunda, era perfeita todos os dias...
Vamos torna-lo realidade,
só depende de nós!

Boa semana! Beijinhos :)

Plum disse...

A carícia do amor!***

Tacitus disse...

A entrega total é libertadora mas acarreta também alguns perigos. Talvez por isso haja por aí algumas resistências...
Uma sublime carícia são estas tuas palavras.
Um beijo e votos de uma boa semana ;)

lisa disse...

Sublime as tuas palavras.
Adorei o teu blog.

Beijo daqui das minhas noites de lua cheia.

daniel sant'iago disse...

De sentidos desfeito...
Beijo.

DE-PROPOSITO disse...

Um poema ternurento, de uma doçura infinita.
Fica bem.
Felicidades.
Um beijinho para ti.
Manuel

José Alberto Mostardinha disse...

Olá Ângela:

Antes de tudo obrigado pelo teu, simpático, comentário deixado nos Estados Gerais.
A vida é curta demais para nos "perdermos" em incompreensões.
Posso ter aprendido pouco com ela até agora... mas isso já aprendi.

Sobre o teu poema que posso dizer... que é duma suavidade maravilhosa.
Que entristece saber que há muita gente que não consegue ser de "seda".

Um beijinho,

viagens na minha terra disse...

o amor anda no ar....lindoooooooooooooooooooooooooooooo

John Lemmos disse...

Lindo o poema. Muito feminino.
Boa semana

**beijos**

Mário disse...

Sublime mesmo é esse seu poema. Uma ótima semana para você, minha amiga.

MARIA VALADAS disse...

Um deslizar sublime da caneta...em que as palavras se soltam no ar...suavemente!

Lindo!!

Beijinhos da

Maria

Daniele disse...

Minha querida amiga e poetisa Angela,

Seus versos sempre na cadência perfeita, exalando sensualidade, voracidade e feminilidade.

Essa entrega total, plena, abismal é vital, mesmo que um dia haja dores, o importante é viver e saber se entregar, tal como uma poetisa o sabe.

Beijos na sua alma,

Madalena disse...

Lindissimo...
Suave como seda...
Muito erótico, também...
Adorei
Bjokas
Madalena

mitro disse...

Depois disto... Vou pra Engª Têxtil!

poetaeusou disse...

/
Que fio a fio teces
/

A.S. disse...

Cada palavra do teu poema é uma sensual caricia deslizando suavemente pela pele...


Um terno e doce beijo...

Claudia Perotti disse...

Quanta sensualidade!
Beijinhossss

mixtu disse...

a entrega... num tecer de palavras e gestos...
poesia...

abrazo europeu

Vera disse...

Minha querida alminha, que poema tão... perfeito!!!
Adorei, está sensual, feminino, cheio de amor e doçura!
Adorei mesmo!

Mil beijos

Ricardo Rayol disse...

Angela, que suave sensualidade. Delicioso. Mas eu teria um grande problema, minhas mãos não tem o menor toque de seda. rs.

Blogildo disse...

Que poema. O sentido do tato é explorado ao máximo ao meu ver.

Abraço!

Farinho disse...

Sublime é este poema, lindo para ser lido e relido com prazer...


Beijoquinhas doces

Vera Carvalho disse...

Que delícia de poema! Suavidade à flor da pele.

diabinho disse...

Se te entregasses assim, nua, só para despir de preconceitos...

Beijokas endiabradas

juvepp disse...

Olá Angela, Gostei do teu sentir. Nem sempre há pedras no coração, quando muito nos sapatos mas essas deitam-se fora. Beijinhos e fica bem