quarta-feira, maio 30, 2007

Inebriados sentidos


Um coro de pétalas ardentes
Canta o perfume do amor
Que paira no ar deste quarto
Onde o leito, como tálamo aberto de papoila,
Se oferece, sedutoramente,
À degustação do doce pólen.
Nele, os nossos corpos nus
Inalam a incandescência do desejo
E, arrebatados de júbilo,
Mergulham na essência do prazer.
A volúpia da seda dos lençóis
Acaricia-nos a pele impetuosa
E o espelho extasiado
Celebra contornos entrelaçados.
Aqui, ofegantes de diluvial paixão,
Imergimos no luxuriante jardim
Dos inebriados sentidos.

22 comentários:

Vera disse...

Minha querida amiga, a tua inspiração voltou em força!
O teu poema está muito bonito e com metáforas maravilhosas!

Um beijo enorme minha amiga linda que tanto adoro

Claudia Perotti disse...

Ah! essa paixão que inebria os sentidos...

é tudo que se quer!


beijinhossss

Rosa Maria disse...

Inebriado fica tb quem inspira o perfume das tuas palavras...

A.S. disse...

Inebriados sentidos,
desejos no olhar,
vestigios de um dançar divino
que nem os anjos sabem igualar!...



Para ti... com um beijo!

Plum disse...

Um jardim com aromas de amor!*

daniel sant'iago disse...

O espelho por testemunha...
Beijo.

luna e neptuno disse...

O palato do amor , envolvente, permanente
ji

POETA VAGABUNDO disse...

:)sempre que aqui volto cheiro a amor...
beijo vagabundo

Menina do Rio disse...

Sinto-me inebriada pela beleza e perfume deste canetir!
Obrigada pela visita e tem uma tarde belissima!

beijos

Ricardo Rayol disse...

Minha querida, anda com uma força sensual gigante em suas palavras. adoro isso.

John Lemmos disse...

Olá
Que cheirinho a amor...
**beijos**

Sindarin disse...

Olá amiga! Muito obrigada pela preocupação e pela amizade e carinho. è bom ter amigos como tu. Este teu poema está belíssimo. Um grande beijinho amigo e doce. Obrigado por tudo.

Asheran disse...

"Existem outros seres noutras dimensões… e neles se concentra a vossa curiosidade. Mas, da mesma forma que têm de esperar para ver o que é realmente a «Casa do Pai», também têm de esperar para ver as outras «Moradas do Pai». O nosso Pai tem muitas Moradas, mas todas elas estão dentro do Filho. Ele foi dotado de livre arbítrio exactamente para poder escolher qual a Morada onde prefere manifestar-se. Ora, uma das Moradas do Pai são as cidades físicas do planeta Terra. E essas não estão nada bem!"

Vera Carvalho disse...

Inebriante, sem dúvida!
A tua poesia floresce a cada dia que passa mais apaixonada, mais perfeita, mais singela.
Adorei.
Um abraço querida Angela.

MARTA disse...

Deseja-se ficar para sempre perdido no jardim...usufruir em pleno dessas sensações....
Lindo poema - gostei muito.
Obrigada pela visita ao meu blog e espero voltar a vê-la por lá.
Eu volto para ler os outros posts.
Beijos e abraços
Marta

Saramar disse...

Deliciosa paixão, a espalhar perfumes, a inebriar os sentidos.
A descrição poética é tão perfeita que quase penso poder tocar esses cetins, emprestando-me um pouco de tanto amor.
Lindíssimo!

beijos

mnemosyne disse...

E porque a palavra é pele e treme de desejo entreabrindo a pétala perfumada :)
Um beijo

Gui disse...

Como se o acto de amar não fosse já de si sublime, tu consegues torná-lo mais sublime ainda com esta descrição fabulosa e de enorme elegância de palavras. Um beijo

Mário Margaride disse...

Olá Angela!

Obrigada pela tua visita ao Canto poético.
Espero que voltes mais vezes.

Belíssimo este poema!

Paixão avassaladora. Onde os sentidos pulsam, e se sente o bater do coração.

Adorei!

Beijinhos

http://avano2006.blogspot.com

Lu@r disse...

Divino...Estarei eu no Paraíso?

Não quero acordar destas palavras de sonho.

Beijo bem doce em ti

Secreta disse...

O sabor da paixão mt bem descrito nestas palavras :)
Beijito.

mitro disse...

um espelho no quarto em posição estratégica hein?