terça-feira, novembro 28, 2006

As pontes


Por vezes construo pontes
Entre o meu eu real
E o outro irreal
Reflectido nas fontes
De águas ideais.

E caminho com agitação
Entre duas margens
Pagando caro as portagens
Desta minha insatisfação
Nas escolhas transversais.

Queria encontrar a calma
Para sentir a plenitude
De encontrar a virtude
Que tranquiliza a alma
Das dúvidas existenciais.

22 comentários:

Luís disse...

Essas "portagens" e estradas transversais são fundamentais para alcançares esse destino almejado. Continua.

pensamentos_vagabundos disse...

as pontes são a unica maneira de não nos esbarrarmos contra a diferença que habita em nós...
beijo vagabundo

Claudia Perotti disse...

Uauuuu que lindo esse texto, menina!

Agraeço-te o carinho e a motivação na minha página, viu?

Beijinhossss

Tacitus disse...

As pontes existem para podermos atravessá-las. O truque é mesmo SABER ATRAVESSÁ-LAS. E isso é a parte mais dificil...boa semana para ti ;)

.*.Magia.*. disse...

Ponte...

Uma ponte é significado de esperança sobre águas turbulentas...ou calmas!

É sempre uma esperança de passagem para outro horizonte...

Gostei

Beijokas

Cheers

Plum disse...

Ai as dúvidas existênciais...quem nãoi as tem??!!!!Mas a serenidade atinge-se com calma!abraços cheios de magia!*

Sindarin disse...

Olá amiga! Que linda frase e k belo poema. Gostei muito. Agradeço a tua visita e peço desculpa pela minha ausência. Um grande beijinho.

mnemosyne disse...

e as tuas palavras são como penas de pássaros no arroubo do ar que almejam alcançar a outra margem... Um beijo :)

Aluada disse...

Também fiquei presa à curiosidade e aqui estou eu! :)
As pontes que nos ligam à imaginação...
Gostei muito!

daniel sant'iago disse...

Pontes?
Fundamentais...
Beijo.

Márcia(clarinha) disse...

Quantas pontes fazem "a ponte" de nossa existência...
Belas palavras minha querida
lindo dia
beijosssssssss

Luna disse...

Estamos sempre a pagar pelo que fazemos, pelo que nos fazem, a serenidade, algo que tanto desejamos mas tão dificil de encontrar
beijikas

nene disse...

Acho que todos nós as construimos!
Um beijinho:)

Juda disse...

A vida, é isso, a vida... um abraço...

José Alberto Mostardinha disse...

Olá Angela:

Pois, essas "duvidas existênciais" são, claramente, um sintoma a abater.
Encontrar o antídoto é o segredo do sucesso.
Normalmente toda a pessoa o tem dentro de si... mas não consegue encontrá-lo.

Um beijo,

Arauto da Ria disse...

Angela,
Li reli como sempre, mas vou...
Um beijo

Tino disse...

Isto aqui é uma alegria, já se entrou na era da cosntrução!!Primeiro pontes, mais tarde, quem sabe uma casa!Andas-te a inspirar nos meus posts imobiliários! :D

Um beijinho grande, gostei de atravessar a ponte! :)

farinho disse...

É bom termos o nosso cantinho dentro de nós, onde vivemos a irrealidade, onde estão os sonhos e desejos, onde só existe um mundo só nosso, onde nos refugiamos de vez em quando.


Beijocas grandes.

Vera disse...

Quem não passa por essa ponte? Por vezes optamos por não seguir em frente, construímos caminhos que nos levam ou não a melhores destinos.
LINDÍSSIMO! ADOREI!
Beijo enorme

mitro disse...

Citando-te:
"Entre duas margens
Pagando caro as portagens
Desta minha insatisfação
Nas escolhas transversais."

Está fabuloso!
(...mas mais uma vez acho que o steus poemas não terminam na apoteose, mas num suave fade out)

Blogildo disse...

Belo poema.
Existe um terceiro "eu" ou estou "viajando".

Afinal, o "construo pontes/Entre o meu eu real/E o outro irreal/Reflectido nas fontes/De águas ideais" sugere a existência de um terceiro eu. Certo?

Ricardo Rayol disse...

texto irretocável.