sábado, novembro 04, 2006

O Inverno


O Inverno solitário se instalou.
As árvores frondosas estão a se despir.
O perfume envolvente das flores se dissipou.
As aves apaixonadas vão partir.

O lago, por um véu de mistério, fica coberto,
Escondendo fantasmas nas águas ondulantes.
O tempo lânguido como que fica encoberto,
Nublado, cinzento de memórias sibilantes.

A alma, nesse céu pesado, torna-se profunda.
A ligeireza da vida lentamente se afunda,
Enchendo-nos estaticamente de melancolia.

No espaço ecoam rumores inconstantes
De vozes, em despedida, desconcertantes,
Do calor do Sol e da sua terna melodia.

31 comentários:

Guilherme F disse...

Gostei muito deste esboço, de palavras e sentimentos. Gostei muito de ficar a ler-te.
Bj
Gui

pensamentos_vagabundos disse...

adoro o inverno....
beijo vagabundo

Delfim disse...

Gostei!!!
Não percas a tua poesia!
bjs

Guilherme F disse...

Agradeço as palavras.
E, sendo o primeiro (a postar) diria que as palavras rolam, aqui, com a ternura do Outono; a leveza da Primavera; a paixão do Verão e o abraço, íntimo e fechado do Inverno.
Gostei muito.
Bjs

João Filipe Ferreira disse...

eu aprecio o inverno ehehe e como tal digo que este poema(soneto) está lindissimo...
beijinho enorme :)

Vera disse...

Minha amiguinha linda e preciosa, eu, como sabes, odeio o Inverno! Mas adorei o teu poema!
Um beijo grande, grande e grande!
(Hoje estou super beijoqueira)

Saramar disse...

O inverno fica tão mais bonito descrito assim nestes versos densos, tão densos quanto a névoa e o frio!
Lindo demais!

beijos e boa semana para você.

farinho disse...

Eu não gosto do Inverno, mas descrito dessa maneira o Inverno fica mais bonito.
Como sempre a escrita mostra o lado mais belo das coisas.

Beijocas.

Lee disse...

Quente e frio, seco e molhado, outono e primavera, porque me fascinam as diferenças, ou serão as semelhanças?
Complementos de um sonho.
Um beijo

Tati disse...

se despedir é spe difícil...
talvez aceitar que as estações spe mudam, não importa o que aconteça em volta.

bjos

Arauto da Ria disse...

Angela, tão lindo o teu Inverno, é um bom prenuncio, para as perolas que nos esperam, vindas de ti e apaixonada, devem ser espantosas, tu sabes o quanto o amor nos transforma.
És um verdadeiro poço de talento e os que gostamos de ti,temos a certeza que jamais morreremos à sede, terás sempre uma gota para nos saciar.
Um beijo

Anónimo disse...

Segredo


Se em mim tocasses, que fosse com o teu olhar
Se em mim tu olhasses, que fosse no meu olhar
Se em mim te inspirasses, que fosse na minha alma
Se em mim tu chegasses, que fosse devagar, calma….

Se em mim eu pudesse ter a luz do sol e o seu calor
Se em mim eu tivesse o arco-íris ou fosse uma cor
Se em mim eu tivesse o encanto de qualquer mar
Se em mim eu tivesse, à noite, essa luz do luar…

Se em ti eu pudesse entrar, que fosse no teu poema
Se em ti eu pudesse entrar, que não fosse um teorema
Se em ti eu pudesse entrar, que fosse na tua pintura
Se em ti eu pudesse entrar, que fosse com ternura…

Se em ti eu pudesse tocar, que fosse com uma flor
Se em ti pudesse tocar que fosse com fervor
Se em ti pudesse tocar que fosse no teu coração
Se em ti pudesse tocar que fosse , em ti, Verão…

Se eu não tivesse esse segredo que tenho de guardar
E tu não tivesses medo de o gritar a toda a gente
Talvez as palavras fossem como estrelas a brilhar
Talvez os poemas fossem o que o coração sente!

Anónimo disse...

Vou adiantar o Tempo e
Viajar no espaço
Para que esse tempo chegue
E por fim me recebas no teu regaço.
Vou adiantar o Tempo e
Viajar por essa divagação
Que é sonhar-te assim, colada,
No meu coração.
Vou adiantar o Tempo e
Pará-lo aí,
Pois sei que ficarei, eternamente em ti,
Nesse Tempo, criado por ti,
Nesse Tempo que já te dei,
No Tempo que passou, por aqui!

Vou adiantar o Tempo e pará-lo
Eternamente, nesse Tempo,
Onde sei que viverei
Sem Tempo!

Eu sou o Tempo,
Tu és a hora,
Que eu paro,
Para vires agora!

Anónimo disse...

Teorema


Pega nas tuas palavras e soma
Os seus significados.
Pega nas tuas frases e subtrai
A pontuação.
Pega nas tuas ideias e escreve-as
Como elas são!
Pega nos símbolos que escreves
E dá-lhes um valor!

Pega no teu raciocínio,
Soma as partes,
Divide por dois
E vê:
O resto dá zero?

Se dá, é porque tudo o que escreveste
é pura matemática!
As palavras têm
Outro significado
Mais nobre
Que é, no fundo,
Não terem de
Dar resto zero
Ou valor mensurável!
As palavras
São
Palavras!
Não têm
Raízes
Quadradas!

Anónimo disse...

Se fosses um violoncelo
E estivesses assim, colada a mim,
E os teus cabelos fossem as minhas cordas,
Se o teu corpo estivesse colado ao meu, nas minhas pernas,
No meu peito, e os meus dedos percorressem a tuas cordas,
As notas arcadas sairiam assim, mesmo sem a resina no arco,
Pois o meu ardor arde tanto que sem nada eu faria vibrar o teu coração,
No meu, onde viste poisar, qual sinfonia nova, qual uma nova canção
De amor, de Amor verdadeiro e sincero que cresce num hino de esperança,
Nasce uma nova sonata, que pinto nos meus dedos, correndo essa memória
De em ti tocar, lá dentro, mesmo estando cá fora, mas onde sei que brilha
A minha luz, acesa pelo teu olhar que se cruza com o meu e onde me amarro,
Qual barco na tempestade que no cais procura abrigo e assim fico na tua história!
Quando me sinto assim, em ti, perdido, e em ti me encontro, procuro
Por nós, procuro pelo teu sabor a mar, procuro pelas estrelas dos teus olhos,
Sempre a brilhar, quais faróis numa falésia a avisar que sem rumo,
Posso naufragar, e me perder, dando-me a direcção do teu
Caminho,, pata te encontrar e em ti ficar calmo, sereno
E sossegado, mesmo que a tempestade custe a passar…
Se fosses uma música nova, onde pudesse
Entrar, com a minha alma nua,
E as tuas notas pudesse
Tocar, seria eu um poema
Seria eu a música,
Seria eu ,
Outra vez

Anónimo disse...

Para ti uma vermelha rosa,
Com cheiro doce e sensual,
Pois de tão formosa
Acho ser a tal

Para ti uma flor colorida,
Para sentires que estou aqui,
Para não te sentires perdida,
Mas sim agarrada à vida

Para ti um jardim, colorido,
Onde as flores somos nós,
Onde encontramos abrigo
E soltamos a nossa voz

Pega nela, segura-a e sorri.
Não quero ver chuva, outra vez.
Eu estou aqui, colado a ti,
Pois o teu amor assim o fez.

E agora, mais calma,
Deixa beijar-te a testa, devagar,
E dou-te a minha alma, em festa,
Para poderes a ti voltar.

Anónimo disse...

Hoje toquei a lua,
Hoje fui o luar….
Hoje por um momento senti que essa luz
Entrou no meu céu, descoberto, e as estrelas dançaram, outra vez,
Qual baile da meia-noite, com o sol a raiar, envergonhado por detrás das nuvens
Que passavam e soltavam algumas das lágrimas que sentiram ao ver-me assim.
E as brisas que passaram, tocaram bem dentro do meu mar que transbordou as margens
Que na areia desenharam um quadro com as cores do arco-íris e fizeram com que
A praia fosse de novo habitada, por emoções salgadas que brotaram das gotas
Que o vento trazia, sem querer, como a dizer que também estava a querer
Testemunhar essa maré-cheia de poesia, de emoção, de música,
Que pairava no ar, e não cessava de soar, ainda que os trovões
Também viessem, quais tambores anunciar que o não
Foi o sim e o talvez passou para o certamente,
Que o eu deixou de existir, em ti, em mim.
Hoje toquei o sol, ardente, radiante,
Cheio de cor, a anunciar que
A folha em branco
Estava agora
Escrita
Outra
vez

Anónimo disse...

Lês estas palavras codificadas,
Em símbolos que soam,
Pelas minhas mãos tocadas
E no ar ecoam?

Sentes no ar o pensamento
Que esta folha enaltece
E do meu sentimento
Aparece?

Ouves o que te digo, assim, deste forma
Singela, lenta e calma,
Sem obedecer a nenhuma norma,
Mas que transmite a minha alma?

Então, escuta somente,
Entende,
E ouve como quem sente!

Anónimo disse...

Lua

Lua, meu espelho, em ti me vejo.
Lua, meu amor, meu desejo,
Em ti um encontro desejo
Para te poder dar o meu beijo.

Lua, deixa o meu brilho raiar, em ti,
Deixa que na noite o teu brilho fique aqui
E de manhã, quando acordo, cedo,
Deixa-me tocar-te, sem nenhum medo

Lua, que na noite te despiste,
Deixa mostrar de dia o meu calor
E deixa que eu sinta o que sentiste,
Com a minha paixão, com o meu amor.

Lua, deixa dizer-te que te amo,
Deixa dizer que te adoro,
Por isso as vezes te chamo,
Pois em ti sei que já moro.

Lua linda, lua branca, lua minha paixão
Deixa-me dizer-te um poema, cantar uma canção
Deixa só por instantes eu entrar em ti com emoção
Deixa só que eu te veja, te sinta, em qualquer Estação

Minha lua, meu amor,
A minha vida é tua,
É teu o meu amor,
Nu eu estou, por tu estares nua.

Lua …..
Luar….
Teu o meu amar

Anónimo disse...

Meu amor, dá-me um poema,
Meu amor, dá-me um desenho,
Meu amor, dá-me uma flor,
Meu amor, dá-me a tua mão,
Meu amor, dá-me o amor,
Meu amor dá-me a paixão.


Meu amor, dá-me a tua calma,
Meu amor, dá-me o teu olhar,
Meu amor dá-me a tua alma,
Meu amor, dá-me o teu mar

E o meu amor veio devagar
E o meu amor veio de mansinho
E um poema quis criar
E fê-lo com carinho


Fez um desenho, trouxe uma flor,
Deu-me a mão, deu-me a alma
Deu-me a paixão, não trouxe o calor
E o amor virá com calma

Deu-me o olhar, deu-me o mar,
Feito um poema de amar!
Deu-me um quadro a vibrar
Onde as cores estão a cantar

Anónimo disse...

O fogo

Quando ardes de paixão, o fogo, sou eu!
Quando eu começo, sou só uma chama,
Quando sinto a tua pele em mim,
Sou a tua luz, sou o calor teu.

Assim, qual loucura,
Me acendes, me alimentas,
Nessa emoção pura
Que acalentas…

E se um dia a chama apagar,
Fica em mim o teu amar!
E se um dia eu morrer,
Foi por em ti arder!

Por isso, nunca, deixes de me reacender…
Por isso, vem, em mim, viver

Anónimo disse...

O amor é assim, quando aparece…
Um doce salgado, um quente frio,
Um esconde, um aparece,
Uma fonte, o mar, um rio.

Uns dias, vem devagar
Outros, corre depressa
Pois tanto quer chegar
Que vem com muita pressa

O amor é assim uma flor
Pode ser só uma semente
Mas com todo o ardor
É querido por toda a gente.

Quando ele quer entrar
Mas o coração está cheio
Fica ali a esperar
Pois para isso ele veio

O amor verdadeiro não desiste
De um dia ver nascer
Num coração triste
Uma Paixão nascer

O amor é assim, quando aparece…
Um quente, um frio que aquece!

Anónimo disse...

O caminho mais fácil não é o mais rápido,
O caminho mais fácil é o mais seguro…
E os passos grandes podem fazer-nos cair,
Se não olharmos o chão!

O caminho mais difícil é o que nos faz cair,
O caminho mais difícil é o que nos faz tropeçar,
E mesmo com passos pequenos
Não poder prosseguir!

O caminho mais bonito é aquele
Em que andando devagar, podes olhar
A paisagem que está ao lado
Sentir o seu aroma….

O caminho mais bonito é aquele
Em que caminhaste seguro,
Calmo, sereno, devagar
E te levou ao ponto
Que marcaste à partida!

O caminho mais certo é aquele
Onde sabes que tens alguém
À tua espera, e te recebe
De braços abertos!

O caminho
Que caminho
Caminhaste tu,
Para me dares
O caminho
Certo!

Mas só mesmo tu….!

Anónimo disse...

Se fosses um violoncelo
E estivesses assim, colada a mim,
E os teus cabelos fossem as minhas cordas,
Se o teu corpo estivesse colado ao meu, nas minhas pernas,
No meu peito, e os meus dedos percorressem a tuas cordas,
As notas arcadas sairiam assim, mesmo sem a resina no arco,
Pois o meu ardor arde tanto que sem nada eu faria vibrar o teu coração,
No meu, onde viste poisar, qual sinfonia nova, qual uma nova canção
De amor, de Amor verdadeiro e sincero que cresce num hino de esperança,
Nasce uma nova sonata, que pinto nos meus dedos, correndo essa memória
De em ti tocar, lá dentro, mesmo estando cá fora, mas onde sei que brilha
A minha luz, acesa pelo teu olhar que se cruza com o meu e onde me amarro,
Qual barco na tempestade que no cais procura abrigo e assim fico na tua história!
Quando me sinto assim, em ti, perdido, e em ti me encontro, procuro
Por nós, procuro pelo teu sabor a mar, procuro pelas estrelas dos teus olhos,
Sempre a brilhar, quais faróis numa falésia a avisar que sem rumo,
Posso naufragar, e me perder, dando-me a direcção do teu
Caminho,, pata te encontrar e em ti ficar calmo, sereno
E sossegado, mesmo que a tempestade custe a passar…
Se fosses uma música nova, onde pudesse
Entrar, com a minha alma nua,
E as tuas notas pudesse
Tocar, seria eu um poema
Seria eu a música,
Seria eu ,
Outra vez

Anónimo disse...

O meu sabor é, afinal,
O sabor dos teus olhos,
Onde me perdi e fiz chorar!
Assim, eu não ser só eu,
Sou a tua tristeza e desilusão,
Mas em mim vieste fazer
Correr essas gotas que brotaram
Como pingos de cristal!
O meu sabor é, afinal, o teu!
Deixa que pare essa nuvem
De chover e mostra
A cor do sol,
No teu olhar!
Leva de mim,
Ao menos,
O meu sabor,
Pois as minhas gotas
Teimam em aqui ficar!

Anónimo disse...

Fizeste subir as estrelas para o céu…
Fizeste o mar ondular, e na areia bater de mansinho…
Fizeste as palavras nascerem nas folhas brancas…
Fizeste as flores sentirem-se incolores com a tua presença.

Mas quando a chuva veio, devagar,
Fugiste com o vento que forte soprou,
E não me seguraste na tua mão,
Sabendo que não gosto de ouvir o trovejar.

Foste com as brisas que te mostraram
Outras paragens, e pegadas que não pisei.
Foste com as aves que num ápice voaram
E aqui, sozinho, fiquei!

Agora, que a maré me cercou
E nem um passo posso dar,
Vês-me daí da costa, longe,
E vês o que ficou
Desse acordar
Que provocaste,
Mas não
Soubeste cuidar!

Agora sei que tu és, definitivamente,
Alguém que pensa e não sente!
Agora sei que
Há mar e mar,
Há ir e voltar!

Anónimo disse...

Conquista!

E tu sentiste, vieste,
Tomaste conta de mim,
Foi porque te deste,
E me levaste, assim!

E eu, qual barco perdido,
Ao sentir o teu olhar,
Vi a tua luz, e, ferido,
Em ti fui aportar!

A tua água serena me acalmou,
Me prendeu, me atracou.
Em ti me agarraste,
Me prendeste,
E a tempestade,
Enfim,
Passou!

Anónimo disse...

Depois de tudo
E depois de nada
Sinto que és
Como os ramos de
Uma árvore que se despe
Lentamente como a
Preparar um sono onde
A Primavera há-de, num sonho, chegar

venus disse...

olá...
novas sensações irão surgir com o inverno que está a chegar..
chegará o perfume da terra molhada
o doce sabor da chuva que virá para reinar
as estrelas chegarão mais cedo e a lua iluminará nossos passos...
gostei do teu poema
bjinhos

Tino disse...

Ás vezes o Inverno deixa a rua só para mim e faz com que eu ouça o som do silêncio cortado pelos passos que dou...nem que seja por uns minutos, isso sabe-me bem :) beijinho grande**

corpo y alma disse...

oi miga quero agradeçer a tua visita e deixar um bjo e desejar te uma boa semana ...
...corpo y alma...
palavras que choram
são lágrimas que caem
são sentimentos que no coração moram
são sentimentos que do coração saem.
é dor que sai do nosso coração
é paz que alivia a nossa alma
é o fim de um furacão
e o começar da calma.
é sossego que invade o nosso ser
é vazio que se sente no peito
são lágrimas pelo rosto a escorrer
por algum mal que nos foi feito.
lágrimas que caem
são sentimentos que no coração moram
e que quando do coração saem
são palavras que choram.