sábado, setembro 23, 2006

A solidão


Aos 25 anos, ela pensava que já tudo tinha conseguido alcançar e que o sucesso e a beleza jamais a iriam abandonar. Queria esquecer que a vida está sempre a mudar e que o jogo apenas acaba quando não há mais cartas para lançar.

Aos 45 anos, ela pensava que o melhor ainda estava para vir e que ainda estaria a tempo de muitas coisas conseguir. Acreditava que a juventude não chegava para tudo descobrir e que o seu sonho de amor ainda o iria atingir.

Aos 65 anos, mais um Natal passara e ninguém aparecera. A sua única companhia eram as suas fotografias colocadas no móvel. Sozinha, revia retratos de um amor que nunca acontecera. As suas memórias faziam parecer tudo ainda mais imóvel.

Aos 85 anos, ela recorda-se dos tempos de fantasiosa felicidade, em que tinha dinheiro e amigos que diziam que nunca a iriam abandonar. Mas o tempo incessante passou e depressa fugiu a lealdade. Hoje, ela grita em silêncio porque não tem ninguém para a escutar.

4 comentários:

Luamar disse...

Quantas vezes nesta vida pensamos que vamos ter tempo... deixamos coisas importantes para amanhã e assim se vão passando os dias...
Até que um dia o tempo acaba e olhamos para trás e ficou tanto por fazer, por dizer...
Mas este teu "esboço" é importante para fazer pensar...
Beijinhos grandes

Ivson disse...

Olá Angela, mas uma vez venho e não me arrependo, pois você tem uma apurada senssibilidade, parabenizo mais uma vez pelo lindo texto, sei que irá ser uma rotina boa, vir aqui e renovar minhas energias. Tenha uma ótima semana Angela e fique com Deus.

In Loko disse...

Este teu texto Ângela, sucintamente, espelha o percurso de muitas vidas, algumas bem conhecidas de mim! Pena que algumas- nos entretantos - não tenham saboreado a vida mesmo com bastante solidão aos 85 anos. As outras, que conseguiram anos de felicidade à sua maneira, estão de parabéns, mesmo com a solidão dos 85! Beijinho

FM disse...

sabes uma certeza que eu tenho?
é que esse retrado que fizéste, nunca será o teu!
És uma pessoa fantástica que atrai amigos; e mesmo sabendo que não poderei falar por outros, falarei por mim, espero que aos 85 anos, poder dar-te um sorriso, um beijo, e toda a amizade que te tenho dado desde que te conheço.
BJ da tua 'namorada'

FM