sábado, outubro 07, 2006

O abrigo


Gostaria que minha voz ouvisses,
Mesmo em exílio do teu coração,
Que te libertasses dessa prisão
E que do peso das mágoas fugisses.

Queria que as penas me confessasses,
Que o silêncio não fosse solidão.
Caminharmos na mesma direcção,
Com amor sincero te aproximasses.

Ser para ti o refúgio leal.
Ser a tua alma gêmea e a presença
Que ouve e não fica na indiferença.

Quero ser p'ra ti asilo ideal,
Abrigo que te acolhe a diferença,
A plenitude em sua omnipresença.

7 comentários:

Márcia(clarinha) disse...

"Quero ser p'ra ti asilo ideal,
Abrigo que te acolhe a diferença,
A plenitude em sua omnipresença."

Amor demais querida!
lindo final de semana flor
beijossssssssss

Arauto da Ria disse...

Olá Angela, boa noite.
Com esse coração tão grande, com palavras tão lindas e arrumadinhas, saiu este belo poema.
"Ser para ti o refúgio leal",é bonito e prufundo. Quem não quer um refugio assim? Como diz o outro, - resmas minha querida-.
Mais um lindo poema e mais um beijo

venus disse...

que belo desabafo...
adorei o teu poema.
beijinho

cleopatra disse...

Olá Angela!
Muito obrigada pela visita e pelo carinho deixado.
Adorei entrar nesta tua casinha de poemas... é linda!
Sabes... ontem fechei uma parecida!...chamava-se ecos e podes encontra-la nos links que tenho nos meus sopros da alma.
É de lá que retiro e te ofereço este meu simples poema, que escrevi um dia para alguém, tal como tu o fizeste hoje aqui.

(caixinha junto ao peito)

Levo-te comigo
em pensamento...

A cada sítio
por onde passo

Onde me abrigo
...do vento

Onde me deito
rendida ao cansaço

Trago-te sempre
junto ao peito

Numa caixinha
onde te guardo
...com jeito

Sei que vou
contigo além...

A cada instante...
...por onde passas

Onde te deitas
e me dizes...vem!

É onde habito
...noutra caixinha

Que guardas
junto ao peito também


Um beijo soprado

Luís disse...

È muito bonita a necessidade de abrigarmos alguém em nós. E tu expressaste esse sentimento de uma forma exemplar neste texto. Parabéns.

Saramar disse...

Que lindo soneto, Angela, minha querida!
Ainda vou escrever assim, algum dia (risos).

Adoro essa entrega despojada, esse amor incondicional, amor-abrigo, maravilhoso!
Parabéns!

beijos

João Filipe Ferreira disse...

olá,
bem venho por este meio dizer que o teu blog cada dia que passa fica mais rico, mais valioso..tudo graças ao que escreves..
hoje o dia passou-me ao lado e senti necessidade de te ler..pa sentir alguma paz de espirito..
obrigado pela leveza das tuas palavras..
um beijinho enorme:)